arte contemporânea: o expressionismo de william kentridge

Fã de animações, fui apresentada hoje para a obra de um artista sul-africano, chamado William Kentridge, que justamente fez fama ao redor do mundo por sua técnica sui generis quando o tema é animação de filmes. Kentridge constrói seus filmes, cena a cena, a partir de desenhos sequenciais, executados sobre a mesma base… soa estranho para quem já imagina story boards e coisas afins, mas é isso mesmo: ele desenha, filma, “ajusta” os traços no desenho (apagando, criando novos) sobre a mesma base, filma novamente, e segue neste processo interativo até que a cena esteja finalizada. Achei o resultado muito interessante.

Além dos filmes baseados em desenhos e traços, digamos “evolutivos”, outros experimentos de Kentridge repetem a mesma fórmula, porém com o que poderíamos chamar de “esculturas” executadas pela justaposição de pedaços de papel. Difícil de imaginar? Pois bem: suponha que você tenha um saco de pequenos pedaços de papel preto, e use estes pequenos pedaços como um lego, agrupando-os como se fossem traços formando uma figura ou um rosto, por exemplo.

Filme este rosto ou figura, e então faça pequenos ajustes – adicionando e/ou subtraindo mais pedaços de papel – para montar a próxima sequência de movimento deste rosto – e então filme novamente. Siga neste processo interativo e, voilà, o efeito é o mesmo da animação com traço a carvão. Melhor que palavras, selecionei um dos filmes pequenos para ilustrar:

Para quem gostou, deixo um outra recomendação: a participação do Kentridge na série Art21, uma série em 16 episódios que se propõe a analisar o trabalho de artistas contemporâneos através da estória de suas vidas, fontes de inspiração e processos criativos.

Neste video, a parte dedicada ao Kentridge está contida nos primeiros 22 minutos – embora eu sinceramente recomende o video completo, que traz ainda outros artistas contemporâneos muito interessantes. Apreciem o resultado da captação da voz da soprano – via celular, cantando a ária “Oh Mio Babbino Caro” da ópera Gianni Schichi, do mestre Giácomo Puccini – e posteriormente usada como trilha sonora da animação. Espetacular!

Assista aqui o episódio completo. Veja mais: ART:21.

Help us spread the word: