chopin, 200 anos!

Hoje é o dia em que o mundo todo celebra os 200 anos de nascimento do compositor e pianista polonês Fryderyk Chopin – o compositor cujo nome é sinônimo de belas jóias do repertório para piano solo. Muito foi publicado e está disponível ao simples clique de uma busca na internet. Então para este post separei dois pontos que gostaria de destacar.

O primeiro diz respeito ao Concurso de Piano Fryderyk Chopin, que acontece em Warsaw (Varsóvia, Polônia), desde 1927. Revendo a lista de ganhadores dos prêmios atribuídos pelo concurso, fiquei surpresa e feliz por reconhecer que o nosso Arthur Moreira Lima, figura como o pianista brasileiro ganhador do segundo lugar na edição de 1965 (o primeiro lugar neste ano ficou com a pianista argentina Martha Argerich). Um feito até o momento não superado por outro brasileiro – vejam só que oportunidade… 🙂

A propósito, se você ainda não ouviu o também polonês jovem pianista Rafal Blechacz interpretando Chopin, está na hora de corrigir esta “falha de formação”. Rafal levou o primeiro lugar na edição de 2005 com uma performance absolutamente incrível.

O segundo ponto que separei para destacar é uma curiosidade sobre a morte de Chopin. Ele faleceu em Paris, em 1849, onde foi sepultado. Porém seu coração foi removido e enterrado numa igreja em Varsóvia, segundo sua vontade. Para a celebração de sua missa de morte, na Igreja de Madeleine em Paris, o Requiem de Wolfgang Amadeus Mozart, também segundo sua expressa vontade – mas isso teve que esperar quase duas semanas, pois na época mulheres não podiam cantar na igreja e foi preciso negociar uma forma de permiti-lo (cantaram atrás de uma cortina negra). Para o funeral, sua própria marcha fúnebre (Sonata n# 2, Opus 35).

Acho muito difícil eleger algo em Chopin que eu possa apontar como sendo o que gosto mais. Mas se realmente tivesse que fazê-lo, ficaria com os Noturnos. E dentre os Noturnos, o opus 9 é de longe o meu favorito. Então deixo como petit cadeau o italiano Maurizio Pollini – primeiro lugar no Concurso Chopin na edição de 1960 – tocando o número 1 desta belíssima peça. Enjoy!

Help us spread the word: